MOOC: Cursos massivos gratuitos valem a pena?

O desenvolvimento da internet ao longo desses anos foi capaz de modificar a vida das pessoas. Seja na forma de se relacionarem e até na forma de pensarem na educação. Assim, passou a existir uma necessidade cada vez maior de aprender assuntos novos. Ou até de quebrar barreiras geográficas e de tempo, como vimos com o ensino a distância (EAD). Além disso, passa a existir uma modalidade de curso a distância capaz de ser massivo. Algo bem característico da internet. E passou a ser conhecido como MOOC.

A sigla MOOC vem do inglês “Massive open online courses”. Em português seria cursos livres online destinados à massa, isto é, todas as pessoas. Esses cursos livres podem ser entendidos também como cursos abertos e gratuitos. Mas nem todos são de graça como parece.

Hoje entenderemos como esses cursos funcionam fora e aqui no Brasil. Além disso, descobriremos se essa modalidade de curso é a mais indicada para o que deseja. Seja para aprimorar os estudos ou para montar o seu próprio curso online.

Os MOOCs são considerados inovações no mercado do estudo online. Além disso, são um nova forma das instituições ganharem dinheiro. Muitas universidades oferecem cursos massivos online, mas para conseguir a certificação é preciso pagar. Logo o curso não é tão gratuito assim quanto aparenta. Vamos dar o exemplo de duas empresas que prestam esse tipo de serviço para universidades do exterior de renome mundial. E também alguma brasileiras.

Como começou

O ano de 2012 pode ser considerado o ano em que os cursos massivos foram popularizados . Assim, universidades norte-americanas como Stanford, Harvard Princeton, Universidade da Pensilvânia e de Michigan saíram da sala de aula e foram parar de forma online para todo o mundo.

Mas foi quatro anos antes, em 2008 que o primeiro MOOC foi realizado. Ele aconteceu na Universidade de Manitoba e foi disponibilizado gratuitamente na internet. O único custo que os alunos tinham era de pagar uma taxa de matrícula. Atualmente, essa taxa não é cobrada.

Já na América Latina, o primeiro MOOC a ser disponibilizado foi pela Universidade de São Paulo (USP), em 2013. Isso ocorreu através de uma plataforma privada chamada Veduca. Vamos conversar sobre ela ao longo do conteúdo.

Olha só esse vídeo explicativo sobre o MOOC. Ele é em inglês e com legenda em inglês também, mas acho que vale a pena dar uma olhada.

Onde fazer cursos em MOOC

Já imaginou fazer curso online de graça? Então, resolvi dar uma sondada na internet para ver quais cursos em MOOC que encontrava em português. Vale lembrar que os cursos em MOOC são totalmente online e não há contato presencial. Além disso, é interessante observar como os cursos em MOOC são realizados para começar a pensar na criação de um.

Grupo de Estudo de Educação a Distância (GEEAD)

O Governo do Estado de São Paulo possui uma plataforma que disponibiliza cursos na plataforma Moodle que são abertos. Existem cursos como: vendas, gestão de tempo, canvas, gestão de pessoas e mercado de trabalho. Basta você clicar e fazer um login para acessar.

+ Veja os cursos disponíveis

Me inscrevi no curso de Gestão do Tempo para ver como era. Ele possui duas aulas e pode ser concluído em até 6 horas. Algo que podemos notar de diferente nesse em relação ao Scorm, por exemplo, é que o aluno pode circular livremente entre as aulas, sem ter que, obrigatoriamente, ter realizado a anterior.

O seu local de estudo é assim, como o abaixo:
mooc

No retângulo destacado de laranja na imagem é possível ver a sequência de atividades do curso que você escolheu. Do lado esquerdo, no retângulo amarelo, aparecem as mesma opções do laranja. Porém, possui outras funcionalidades que envolvem toda a plataforma e todos os cursos que você escolheu fazer. Já na parte rosa é o local em que você controla o decorrer de cada aula. A parte do retângulo preto é onde fica o conteúdo. Que pode vir em forma de texto ou vídeo.

MOOC list

Se você quer encontrar cursos em MOOC uma outra forma é entrar na MOOC list. Neste site existem diversos cursos e você pode selecionar apenas aqueles que quer em Português. Fica muito mais fácil.

Então, ao acessar ao MOOC list você precisa ir até o final da página na primeira coluna e clicar em Language. Lá você escolhe pelo português. Assim, já conseguirá filtrar melhor os cursos. Ou então, acesse neste link com os cursos em nosso idioma.

No site, você vai encontrar o nome do curso, muitas vezes em inglês, porque eles são traduzidos e feitos em várias línguas. E encontrar entre parêntesis o nome do local em que ele está alojado, por exemplo, o EdX, o Coursera e o Veduca que são os mais frequentes. Vamos falar mais desses sites mais para frente.

Veduca

A plataforma brasileira de distribuição de MOOCs é o Veduca. Ele segue as tendências mundiais de deixar o conteúdo disponível de forma gratuita e que os alunos apenas pagam caso quiserem um documento de certificação.

O lado negativo é que você não consegue se cadastrar pelo Facebook, por exemplo, é preciso, realmente fazer um cadastro no site.

As duas universidades que são parceiras da Veduca, por exemplo, são a Universidade de Brasília, UnB, e Universidade de São Paulo, USP.

O ambiente virtual de aprendizagem deles é bem limpo de informações e capaz de mostrar de forma simples todo o decorrer do processo de estudo. Em cada uma das aulas o aluno tem acesso a um conteúdo em vídeo, documentos de word e apresentações. Outro ponto importante, é que nesse curso o aluno tem total liberdade de assistir sem forma cronológica às aulas.

mooc

Beved

Além dessas plataformas, existe o Beved capaz de auxiliar as pessoas que querem publicar os seus cursos na internet e até a fazer cursos presenciais.

Você é Expert em design, fotografia ou alguma matéria específica como matemática e quer criar um curso online sobre isso? O Beved seria o melhor caminho.

Como será a distribuição do conteúdo

MOOC-beved

Através dele você disponibiliza o material necessário para o curso, que pode ser um mix entre vídeo e texto. O que agregar ainda mais conteúdo. A própria plataforma te auxilia a gerenciar toda a questão das vendas e você fica mais preocupado com a produção dos vídeos 😉

Já quando o assunto são cursos presenciais, o Beved fica por conta de toda a questão de gerenciamento de vendas, comentários sobre o curso e vira um verdadeiro site para quem precisa divulgar e manejar essa logística toda.

E, o melhor, o Beved cobra apenas uma porcentagem pelo valor arrecadado no venda do curso. Olha só como é uma página de curso do Beved.

Curso no Beved

MOOC-beved

Esse é um curso sobre produção de podcast. Na página do curso você pode encontrar a descrição do conteúdo, uma amostra de todo o conteúdo com as unidades definidas e a quantidade de conteúdo que tem em cada.

Também podemos ver uma descrição de quem é o professor e  a quantidade de alunos inscritos e quais os outros cursos feitos pelo mesmo professor. Além disso, para melhorar a interação no curso, existe uma comunidade para que os alunos comentem suas dúvidas.

Existem cursos gratuitos na plataforma, mas esse, por exemplo, custa R$99. Outro detalhe é que o conteúdo fica disponível para sempre na plataforma. O aluno compra com essa característica em destaque: vídeo podem ser vistos sem data prevista para saírem do ar. Com isso, eles podem aprender no tempo certo.

O Beved também dá certificado ao final do curso. Então, todo o curso por lá possui certificação, mesmo os gratuitos.

Cursos em universidades estrangeiras

Uma pesquisa feita em 2013, mostrou que o Brasil conseguiu alcançar a segunda colocação em alunos inscritos em cursos de universidades estrangeiras apenas pelo site Coursera. Quase 6% dos 2 milhões de alunos inscritos eram brasileiros. Por isso, precisamos ficar de olho também nos cursos que são oferecidos por faculdades fora do país.

Os MOOCs além de serem considerados inovações no mercado do estudo online, são considerados também um nova forma das instituições ganharem dinheiro. Muitas oferecem cursos massivos online. Mas para conseguir o diploma é preciso pagar. Logo o curso não é tão gratuito assim quanto aparenta. Vamos dar o exemplo de duas empresas que prestam esse tipo de serviço para universidades do exterior de renome mundial.

Coursera

Vamos começar pelo próprio site utilizado na pesquisa, o Coursera. Nele você encontra vários cursos gratuitos de Universidades renomadas como Stanford, por exemplo. Mas não tem cursos só em inglês não. Encontrei cursos como os da Universidad Austral, que são em espanhol, mas alguns também possuem legenda em português. Vou mostrar para vocês como funciona por lá.

mooc

Para ter acesso à página inicial do Coursera é preciso conectar a sua conta do Facebook ou fazer outra. Vai como você preferir mesmo. Depois entramos nesta página acima.

Logo acima podemos notar que o Coursera possui um app para celulares, o que facilita ainda mais na hora de ver os conteúdos. O curso que optei por fazer é o de Estratégias de Redes Sociais. Eu consigo acessar outros cursos que me inscrevi no lado esquerdo também.

O lado negativo do Coursera é que o MOOC deles não é totalmente gratuito. Com vocês poderiam imaginar, logo na tela inicial abaixo do “ir para o curso” tem uma opção de “comprar o curso”.

Fazendo a inscrição, sem comprar o curso, você consegue ter acesso a todo o material, mas não consegue pegar o diploma, nem fazer as atividades que estão fora do prazo. O que é uma pena. Mas para quem procura apenas uma forma para se atualizar, o Coursera seria uma boa alternativa.

edX

Outro modo de fazer cursos em MOOC é acessando ao edX. Assim como o Coursera, o edX também possui várias universidades de fora do país em destaque. Podemos encontrar cursos de Harvard e até de Massachusetts Institute of Technology.

mooc

Para quem curte estudar inglês ou espanhol, encontrei dois cursos no adX. Diferente do Coursera, o aluno só paga se quiser ter o diploma. Neste ele tem como fazer tudo ao longo do curso. Entrei no de inglês e, para fazer o curso de graça, optei por fazer o curso sem certificado. Que é a opção em azul na imagem acima.

mooc

Pontos positivos e negativos

O maior diferencial que encontrei e que achei essencial, por ser um curso de línguas, é o modo como é o ambiente virtual de aprendizagem. Principalmente por ter uma transcrição simultânea. Isso é ótimo para as pessoas, que talvez não possam acessar o conteúdo em vídeo naquele momento, possam lê-lo. Ou até para ser um conteúdo mais acessível e inclusivo a todas as pessoas independente das dificuldades que elas possuam.

Achei interessante o modo como eles dividiram bem o curso em módulos como Listening e Reading. Isso faz muito sentido na hora de estudar para provas como essa. Afinal, este é um curso preparatório para o TOEFL, um certificado de proficiência em inglês. Mas, claro, é preciso muita dedicação e apenas fazer o curso por fazer não garantirá o seu sucesso no teste.

Além disso, abaixo de cada aula tem um fórum de discussão onde os alunos e professores podem interagir sobre a aula. Interação sempre é importante em cursos EAD.

+ Entenda como a interação é importante em cursos EAD 

Escolhi esses dois sites como exemplo para vocês mas existem outros também disponíveis como o Udacity e o Veduca que é brasileiro.

Knightcenter

Há também uma universidade fora do país, do Texas, chamada The Universidad of Texas at Austin, que investe em conteúdos em MOOC. Já comecei a fazer um curso com eles de jornalismo de dados e gostei bastante. Eles fazem cursos e interagem com os alunos através de fóruns e grupos.

Eles explicam a maior parte da matéria através de vídeos. Os conteúdos geralmente possuem legendas. Além disso, eles abrem turmas em épocas específicas do ano. Com isso conseguem ter uma maior interação com os alunos e, realmente, participar do desenvolvimento deles ao longo do curso.

mooc

Quero fazer um curso em MOOC

Quer investir em um curso em MOOC e não sabe por onde começar? Separei os pontos positivos e negativos para você ver se realmente vale a pena. E também para entender alguns dos questionamentos que são feitos sobre esse modo de distribuição de conteúdo. Então, vamos lá!

Pontos positivos e negativos do MOOC

Já conversamos aqui sobre o sobre o Scorm, sobre o Moodle, o LMS e até sobre o Aio e estamos sempre tentando entender os pontos positivos e negativos de cada plataforma. Os cursos massivos online e gratuitos possuem pontos positivos e negativos e precisamos ficar atentos a todos eles.

Grande número de participantes

Quanto mais alunos estudando menos o professor conseguirá ter um controle sobre o aprendizado do aluno. Alguns cursos oferecem uma data limite para entrega de trabalhos e, assim, conseguem ter um controle maior do que os estudantes estão produzindo. E, dessa forma, conseguem fazer um acompanhamento da evolução dele.

O curso é certificado pelo MEC?

Essa sempre é uma dúvida que todo mundo tem sobre os cursos à distância. Tem-se hoje os chamados cursos livres. Eles são mais específicos e de curta duração. E não precisam, necessariamente, de um certificado.

Em uma matéria da Globo, realizada entre meados de 2012, é possível identificar uma diferença entre os cursos formais de graduação e os cursos livres. Dentre as diferenças, a avaliação presencial e a definição da grade curricular são suficientes para mostrar que quem deseja um curso livre está a procura de mais conhecimento e não de diplomas.

Vale lembrar que estudo nunca é demais. Se no momento não é possível frequentar uma universidade e se especializar mais, os cursos em MOOC podem ser uma ótima opção de ensino. E, claro, as certificações são interessantes de serem inseridas no currículo. Mesmo que os certificados não sejam compradas, pelo menos o conhecimento no assunto estudado o aluno terá com o MOOC.

Taxa de evasão grande

Quando o assunto é a internet imaginamos sempre tudo acontecendo muito rápido. Assim como entramos em um site agora, em dez minutos já nem lembramos do que fizemos. Por isso, da mesma forma que nos inscrevemos em um curso online gratuito hoje, no dia seguinte nem lembraremos mais. E isso é um dos maiores problemas do MOOC.

Esse tipo de curso possui uma dificuldade enorme em diminuir a taxa de evasão. A taxa de evasão significa a taxa de pessoas que saem do curso sem terminá-lo. Que ficam no meio do caminho e não retornam para terminar o curso.

Uma das soluções para esse problema seria aumentar a participação dos estudantes. Atualmente existem alguns fóruns no decorrer das aulas em que há interação dos alunos. Manter um contato através do e-mail também seria uma forma interessante de favorecer esse retorno do estudante.

E mais que isso, para que algo seja lembrado e que para que os estudantes retornem, é preciso que o curso entre na rotina deles. Que haja uma interação e uma conexão tão grande que o estudante tenha interesse em retornar. Para isso, é preciso fidelizar o estudante.

Fidelizar estudantes

Lembra de como a televisão é capaz de propor horas em que o jornal passará, em que a novela vai ao ar, e assim mudar completamente a rotina das pessoas. Isso tudo como se as pessoas tivessem que ir ao trabalho ou a escola.

Eu sei que essa grade de horários na televisão já está indo de água abaixo. Afinal, as pessoas querem fazer o que gostam no horário que possuem disponível. Por isso o streaming da Netflix, por exemplo, faz tanto sucesso.

Mas vamos deixar essa história de programação de lado e ir direto para o modo como o curso pode se tornar rotina. Acredito que você ou alguém que conheça, simplesmente liga a televisão, sem nem saber o que está passando naquele horário, simplesmente para não ficar sozinho ou para passar o tempo. E está aí a chave. O curso precisa ser lembrado, assim como lembrados de ligar a televisão para nos entreter. O curso em MOOC deve ser capaz de ser atrativo a este nível. Atrativo ao ponto de fazer as pessoas retornarem para a aula.

Investimento é proporcional a interesse

Uma das grandes dúvidas com um curso online, gratuito e aberto a todos é justamente com a questão do interesse do aluno. Aqui no Brasil, por exemplo, a educação é vista mais como um gasto do que como um investimento. (Vou generalizar para entenderem melhor).

Com isso, ao colocar um curso online que seja gratuito, ao invés dele ser bem aceito e curtido, ele é deixado de lado. Como se as pessoas precisassem “sentir no bolso”, isto é, pagar, para ter interesse em algo. Podemos pensar, então, que esse curso perderia o valor se fosse realizado de graça e online.

Agora, uma forma de gerar valor ao curso é atribuir a ele um preço, mesmo que significativo. Assim, as pessoas gastam o dinheiro e, realmente, desfrutam daquele conteúdo. Afinal, elas investiram dinheiro nele e querem ver um retorno.

É muito mais vantajoso, por exemplo, cobrar R$1 por curso e vendê-lo massivamente para um milhão de pessoas. Com isso, vai ganhar um milhão de reais. Vale mais do que vendê-lo a R$100 e ter menos pessoas consumindo aquele conteúdo.

Se a escola for pequena, o segundo vale a pena. Mas como estamos falando de algo baseado no MOOC, algo massivo e para milhões de pessoas, o primeiro é mais vantajoso. Além de atrair um maior número de pessoas.

Gratuito ou pago? Aberto ou fechado?

O site REA (Recursos Educacionais Abertos) fez uma colocação interessante em 2013 sobre a situação do MOOC. Eles ainda estavam em dúvida sobre a relação entre o MOOC e o que as instituições ganham oferecendo esse conteúdo de forma gratuita na internet. Mas fazem uma colocação interessante quanto aos termos gratuito e pago, aberto e fechado.

Hoje está tudo muito misturado no MOOC. Ao mesmo tempo em que ele é um curso massivo gratuito é também pago. Ao mesmo tempo em que ele é aberto é fechado para algumas funcionalidades.

Desde o início o MOOC já chegou com essa ideia de que era massivo e gratuito. Mas que era preciso pagar alguma taxa. Inicialmente era uma matrícula e agora é o certificado. Sempre encontram uma forma de fazer com que o curso gratuito não seja tão gratuito assim.

Faço ou não um curso em MOOC?

Se o seu objetivo for fazer um curso em MOOC para ser disponibilizado e as pessoas conhecerem o seu conteúdo, é preciso pensar se vale a pena cobrar pelo certificado. Isso é uma prática adotada pela maioria dos sites que testamos para essa postagem. Mas é preciso ver se é esse o foco do seu curso.

Criar um curso

Se é o diretor de uma instituição de ensino e está em dúvida sobre o funcionamento do MOOC, acredito que para tirá-la é preciso testar e ver se aquilo realmente atende às suas expectativas. Mais do que fazer um curso em MOOC, apenas porque é uma tendência do mercado, é preciso ter uma estratégia com o empreendimento.

É preciso entender qual o motivo da criação do MOOC. Entender como eles funcionam e se isso é diretamente proporcional ao que a instituição pretende fazer. Fazer cursos gratuitos na internet, para que as pessoas conheçam o trabalho da Universidade, pode ser uma forma interessante de começar. Mas lembre-se que é preciso também melhorar o que já existe internamente.

Antes de uma instituição pensar no público externo, é preciso que o interno já esteja bem resolvido. Nada de começar mudanças externamente se o interno ainda não está habilitado e capacitado a uma tecnologia diferente. É preciso que haja um nivelamento de nível de ensino entre ambos.

Estudante

Já se você é um estudante e está em dúvida sobre quais os melhores locais para fazer MOOC, pense em como será  a sua forma de estudo. Qual o tempo que disponibilizará para isso e o que pretende ganhar com aquele curso. O ganho de conhecimento é o primordial. Por isso, antes de pensar em uma certificação, é preciso que pense no aumento de conhecimento. E, claro, que teste a ferramenta que será usada para o curso e saiba usar todas as suas funcionalidades.

Você tem alguma dúvida sobre o MOOC, já decidiu o que vai fazer? Mande nos comentários!

fale com um consultor aio

  • 46 Posts
  • 2 Comments
Ana Clara Carvalho é escritora, jornalista e blogueira do Diário da Aninha Carvalho. Adora descobrir o que há por trás de séries, filmes e ama escrever, tanto que publicou o primeiro livro aos 20 anos. Além disso, adora gravar vídeos para o canal no YouTube e agora faz vídeos para o Aio também. Ela vai te ajudar a entender o mundo dos cursos on-line tanto para o ensino quanto para treinamentos corporativos como redatora do blog Meu Aio. Então, se quiser falar com a Ana basta comentar abaixo, interagir nas redes sociais ou entrar em contato pelo e-mail: acarvalho@barbaruiva.com. Ah! Ela adoraria ter você como seguidor no Instagram! #FicaDica
  • Ana Paula Radaelli

    Ótimo tema, os MOOCs realmente precisam ser mais amplamente debatidos, mas eles vão além de uma inovação na educação, a história de seu surgimento e as propostas de seus criadores mostram exatamente isso, além do impacto que os MOOCs tem sobre o modelo educacional atual e futuro, essa série aborda esse lado mais teórico dos MOOCs: http://bit.ly/2JxMLW8. Que sigamos debatendo!