Gamification: 5 dicas para treinar sua equipe hospitalar

Já ouviu falar na gamificação ou gamification? Esse processo de aprendizado diferenciado tem sido comum em treinamento corporativos. Hoje mostraremos como o gamification pode ser utilizado para treinamentos hospitalares.

O desenvolvimento da tecnologia da informação e o avanço internet proporcionam transformações em áreas que antes eram extremamente tradicionais. Isso acontece, por exemplo, na medicina. Com este avanço o vínculo médico-paciente se tornou o elo mais importante dentro dessas instituições hospitalares. Já que o paciente agora tem buscado ambientes em que tenha uma experiência positiva durante todo tempo em que passará dentro do hospital.

A necessidade de trazer para o paciente essa experiência positiva, trouxe para o setor uma urgência na humanização hospitalar e isso fez com que os gestores buscassem mudanças dentro das instituições e nas relações interpessoais. No entanto, essa relação não fica restrita apenas a médico-paciente, mas engloba todo hospital, desde a equipe de serviços gerais até a equipe cirúrgica, onde todo o processo é pensando no paciente.

Para que realmente todos tenham esse entendimento e busquem melhorar a experiência do usuário no hospital, é fundamental que toda a equipe esteja engajada nesse processo. Mas qual seria a melhor forma de fazer isso?

Será que os métodos tradicionais de treinamento são o melhor caminho preparar sua equipe para essas mudanças?

Gamification no treinamento

Todos esses processos de inovação trouxeram também ganhos para o treinamento corporativo, através da tecnologia que chamamos de gamification, ou em tradução livre “gamificação”.

Então, com o objetivo de melhorar o aprendizado e treinamento da sua equipe, elaboramos uma lista com dicas importantes para você começar a usar o gamification para treinar todo o quadro de funcionários do seu hospital.

Continue comigo para aprender, o conceito e as principais técnicas para implantar no hospital.

Treinando sua equipe hospitalar com gamification

Antes de irmos mais a fundo com os treinamentos, precisamos esclarecer para os que não estão familiarizados com esse termo, o que é gamificação.

Gamification ou gamificação, usa a estrutura básica dos jogos de vídeo game, onde existe um desafio a ser cumprido e uma recompensa pelos desafios concluídos, ou seja, são objetivos predeterminados que o participante precisa se engajar para solucionar um problema. Programas como Show do milhão, são formas simples de mostrar o processo de gamificação.

No programa, o participante tinha o desafio de responder corretamente às perguntas e a cada etapa concluída a dificuldade ia aumentando. Com o objetivo de faturar um milhão de reais.

Outro exemplo de gamificação é o GPS Waze, muito utilizados por motoristas. Aplicativos como o Waze, onde o motorista pode informar fatos importantes sobre o trânsito em tempo real, e que como recompensa faz com que ele acumule pontos que aumentam o seu ranking, podendo  adquirir alguns avatares exclusivos dentro do aplicativo, são exemplos claros dessa tendência

Por que usar gamification na instituição hospitalar?

Os processos de treinamentos atuais, estão se tornando cada vez mais cansativos e nada produtivos. Ficar dentro de uma sala olhando uma pessoa falando não tem mostrado resultados satisfatórios e não gera engajamento por parte da equipe.

Grandes corporações como a Microsoft, Samsung, Nike, entre outras, perceberam a necessidade de mudar a forma treinar e engajar suas equipes.

Elas aderiram ao processo de gamificação, por ele se mostrar tão promissor.

Segundo uma pesquisa divulgada pela Gartner, 40% das empresas presentes na Fortune 1000 já usam gamification como metodologia principal. No último relatório divulgado pela Gamification Market, estima-se que o mercado até 2018 crescerá mais de 5 bilhões.

Os motivos que fazem as empresas aderirem, devem-se a alguns fatores importantes que estão ligados à psicologia associada ao processo de aprendizagem e absorção do conhecimento através de jogos.

Um modelo que hoje serve para muitos como case de sucesso é a empresa Gerdau, que optou em trocar a maneira tradicional de ensino pela realidade virtual, o famoso óculos 3D e um joystick.

O funcionário que antes gastava aproximadamente 80 minutos em treinamento sobre segurança do trabalho, agora não demora nem 20 minutos.

A possibilidade de mudar a forma de treinar, pode tornar a aprendizagem atrativa, engajadora, divertida e realmente efetiva. Então vamos às dicas para aplicar essa tecnologia em sua equipe.

Mas sabendo que talvez não tenha verba significativa para rodar um processo igual ao da Gerdau. Você como gestor pode começar com algo mais simples, sem muita complicação, mas que vai gerar um resultado igual. Isso é possível aplicando um pequeno jogo de perguntas e respostas, Quiz.

1° Dica: Tenha um objetivo claro

Como abordei no início, hoje o foco das instituições estão cada vez mais voltados para o paciente, em sua experiência e sua relação com o hospital e funcionários.

Para que esse relacionamento seja eficaz, seus colaboradores precisam entender o conceito de humanização hospitalar.

Como o jogo consegue reter atenção e aumenta aprendizagem, o funcionário vai sair do treinamento com a concepção bem clara do que é humanização e como aplicá-lo no seu dia-a-dia.

2° Dica: Tenha um caminho visível

Em geral, ninguém gosta muito de caminhar no escuro. Isso também se aplica no treinamento usando gamificação, onde todo o caminho deve estar visível e de fácil compreensão para o funcionário.

Com objetivo definido, é fundamental ter o caminho (etapas) pelo qual eles vão passar, bem desenhadas. Pois, é durante essa etapa que são aplicados os processos de aprendizado.  Eles são de suma importância para que você tenha sucesso.

O caminho é um dos fatores que irá engajar o colaborador no processo. Com isso, ele precisa ver o início, meio e fim de todo o jogo. É de grande relevância para ele entender o que está fazendo e porque está fazendo.

Vamos exemplificar usando o desafio do Quiz. Podemos desenvolver um pequeno jogo definido em 4 fases (O caminho), onde cada fase teria um breve vídeo. A partir dali, existiria um quadro com 4 perguntas de múltipla escolha para serem respondidas.

O jogador tem o caminho claro, que é passar pelas 4 etapas até o final.

3° Dica: crie um ambiente desafiador

Usando a lógica anterior. O que faria o funcionário se manter atraído e comprometido a passar pelas 4 etapas? Elas sendo desafiadoras.

O desafio!

Muitos acabam pecando nesse momento. Então proponha um desafio para cada etapa. Proporcione diferentes níveis de dificuldade, para cada processo concluído. Estimule a construção do senso crítico sobre o tema proposto. Visando o crescimento e avanço não apenas profissional, mas que possa aplicar em seu cotidiano.

É Claro que o desafio proposto não pode ser  impossível, ele criado para ser cumprido ou que estimule a capacidade dos participantes.

Existem também a possibilidade de promover caminhos diferentes, para solucionar o mesmo problema. Criando situações hipotéticas onde os colaboradores devem criar ideias, que possam solucionar esses conflitos.

Dentro deste contexto você pode oferecer feedbacks rápidos. E, assim a sua equipe aprenderá com os erros.

4° Dica: desenvolva recompensa para os vencedores

Trabalhe sempre com o método de recompensa, pois, no final de cada etapa o colaborador precisa ver que o esforço valeu a pena.

Quando você tem um prêmio para o vencedor, é criado uma competição saudável. Esses desafios onde existem rankings com os mais pontuados, traz engajamento por parte da equipe que passa a querer ganhar o prêmio.

Seja com o Quiz, onde você pode premiar aqueles que tiverem pontuação maior. Ou até com desafios divididos por equipe e a que se destacar ganha. Neste caso, o prêmio pode ser desde um almoço diferente até cesta de chocolate, aqui você escolhe aquilo em que você perceba que irá motivar mais as pessoas a participarem.

5° Dica: Você não precisa fazer sozinho

Dentro desse universo tão vasto que é a gamificação, pode surgir algumas dúvidas no método. E até na forma de implantar e/ou obter o resultado. Mas existem  plataformas que viabilizam todo esse processo.

Conhecer melhor essas ferramentas pode ser fundamental, caso você queira otimizar seu tempo e focar apenas no desenvolvimento do treinamento. Sem mencionar que plataformas como a da “Aio”, permitem que você tenha acesso a relatórios com o desempenho da equipe.

Conclusão

Vale ressaltar por último aqui, a importância de documentar todo o processo. Não deixe de registrar os avanços dos funcionários, para promover melhorias e ajustes e melhorar sempre o processo .

Hoje também já existem bastante conteúdos para ler na web e aprender um pouco mais. Acompanhe também alguns cases como a Gerdau para se inspirar e desenvolver o seu.

Este post foi escrito por Guilherme Nery, analista de marketing da CM Tecnologia, a maior empresa especializada na jornada do paciente e soluções na área da saúde.

Colaborador
  • 4 Posts
  • 0 Comments
O conteúdo que você acabou de ler foi realizado por um colaborador para o blog do Aio. Sempre traremos pessoas de grandes empresas e blogs com um conteúdo rico para você. Espero que curta. Qualquer dúvida é só mandar nos comentários!